São Luis do Paraitinga é Top Destino Turístico Cultural

São Luiz do Paraitinga venceu o prêmio TOP DESTINOS TURÍSTICOS na categoria Turismo Cultural.

A premiação é uma iniciativa da ADVB e do SKAL Internacional de São Paulo, com intuito de reconhecer e valorizar as cidades que acreditam que o turismo é um importante transformador de economias e sociedades, com capacidade para promover a inclusão social, geração de oportunidades de emprego e renda, além de um importante aliado na autoestima de sua população.

Turismo cultural faz referência a atividades turísticas relacionadas à vivência do conjunto de elementos significativos do patrimônio histórico e cultural e dos eventos culturais, valorizando e promovendo os bens materiais e imateriais da cultura.

O turismo cultural está relacionado a eventos e viagens organizados e direcionados para o conhecimento e lazer com elementos culturais, tais como: monumentos, complexos arquitetônicos ou símbolos de natureza histórica, além de eventos artísticos/culturais/religiosos, educativos, informativos ou de natureza acadêmica e pedagógica.

A escolha dos vencedores deu-se através de voto popular, o que valoriza ainda mais o prêmio.

Parabéns São Luis do Paraitinga!!!

Festa do Saci – São Luis do Paraitinga

Criada por um grupo de amigos da ONG SOSACI, a festa tem por objetivo preservar a cultura e folclore brasileiro divulgando o saci e seus amigos, para combater a propagação da cultura do Halloween, mais conhecida pelos Luizenses como “raloim”.Não por acaso, a abóbora, símbolo da festa norte-americana, virou prato típico servido com carne seca.
O evento acontece anualmente, desde 2003, no final de semana que antecede o dia 31 de outubro, oficialmente chamado em São Luis do Paraitinga, o Dia do Saci e seus amigos.
A festa do Saci e Seus Amigos é mais do que um evento folclórico”, é, na verdade, uma afirmação da identidade caipira Luizense, que ajuda a proteger a cultura popular brasileira, contra a invasão cultural estrangeira.
São atrativos da festa as oficinas de máscaras para as crianças, o desfile do bloco do Saci, a Saciata – passeata com gorrinhos vermelhos, o passeio de bicicletas “saciclista”, shows musicais, apresentações teatrais sobre o folclore brasileiro, lançamentos de livros, roda de contos folclóricos e seminário sobre a cultura caipira.
Vale a pena conferir!

O Carnaval de São Luiz do Paraitinga “deu no New York Times”

Nem todo mundo sabe, mas o Carnaval de São Luiz do Paraitinga, um dos mais tradicionais do Estado de São Paulo, foi proibido por um padre por quase cinco décadas. O rígido controle dos fiéis pelo sacerdote italiano, que chegou ao município do Vale do Paraíba na década de 1910, colaborou para perpetuar uma lenda, criada por ele, e que até os anos 80 afastou os foliões e turistas da cidade.

O vigário italiano Ignácio Gióia decidiu proibir todas as manifestações consideradas profanas. Para essa missão, surgiu então o mito que aqueles que brincassem no carnaval seriam castigados com o aparecimento de rabo e chifre.

Na década de 1960, depois da morte do padre, moradores da cidade tentaram retomar a folia, que na época ficava restrita aos salões da cidade. Porém, o carnaval de São Luiz do Paraitingavoltou somente no início da década de 1980, em iniciativa própria dos moradores da cidade, sempre apoiada na cultura regional, com destaque para o ritmo das marchinhas e o colorido das chitas. Cultura, tradição mantida até os dias de hoje.
Na contramão dos estilosglobalizados e saturados de axé, pagode, sertaneja, etc, o repertório do carnaval luizense é composto exclusivamente de marchinhas carnavalescas criadas por compositores locais, muito influenciada pelos costumes, tradições e folclore local, proporcionando uma identidade própria e atmosfera única.
Consequentemente, o carnaval de São Luiz do Paraitingaextrapolou as fronteiras e ganhou fama mundial, principalmente quando, em janeiro de 2008, “deu no New York Times”. Citado pelo jornal como “um dos melhores carnavais de rua do mundo”, o carnaval de marchinhas e bonecões coloridos passou a atrair estrangeiros vindo da Europa, EUA e América Latina, para comprovar que o carnaval luizense é divertido, tradicional, diferente e que não precisam ter medo, porque ninguém é castigado com “rabo e chifre”.